16 de dez de 2015

Dualidade.

"Cada escolha leva a um novo caminho, cada paço molda a jornada"


A natureza dualista da Força é sempre comentada na saga de Star Wars.
Ela parte de um princípio muito comum em filosofias orientais de que Bem e Mal são perspectivas e não verdades absolutas.
Tal dualidade é muito expressiva no Taoismo e no Zen Budismo.
Porém a questão dualista relacionada a Força abrange princípios maiores do que as questões morais e avança sobre o campo espiritual, principalmente nas correlações entre as doutrinas Jedi e Sith,
Ambos os sistemas doutrinários estabelecem profunda relação com a Força, sendo os Jedi adeptos de uma realidade mais metafísica e os Sith de uma realidade mais concreta quanto a exploração da Força.
Sim, o termo que usei "explorar" é perfeitamente cabível aqui. Pode soar muito estranho mas vamos analisar.
Enquanto o cânone Jedi usa a força como um aspecto puramente divino, um caminho espiritual a ser trilhado em busca de uma "imortalidade imaterial", os Sith se atem ao aspecto mais concreto, o poder que flui pela Força e sua utilização para a supremacia.
Aqui reside nosso maior desafio, não são os aspectos inerentes ao dualismo e sim a natureza humana.
Quando escolhemos um caminho por muitas vezes o escolhemos no ímpeto, sem analisarmos seus desdobramentos e principalmente sem pensarmos em sua continuidade.
É fácil encararmos o mundo que nos cerca com conjuntos morais específicos e que, em muitos casos, petrificamos para tornar nossa tarefa mais conveniente.
A grande questão moral do caminho Jediísta sempre foi a violência, ela é claramente uma característica que leva ao lado negro da Força pelo simples fato de exercer poder sobre terceiros ou, em último caso, cercear a vida de outros.
Os dilemas dualistas sempre estarão presentes em nossas vidas, cabe a nós escolhermos como compreender a natureza de quem somos, o que somos e porque vivemos. 
Escolhas são sempre necessárias, quase todas as suas decisões vão levar em consideração algum aspecto da natureza dualista do universo, quase todos os dias você enfrentará questões que irão aos poucos moldar a sua forma de enxergar o mundo.
Independente de como decidimos viver nossa natureza é dualista e sempre seremos convidados a experimentar decisões cada vez mais difíceis com relação a outros seres humanos.
Minha dica é que evitemos os caminhos fáceis e tentemos sempre afastar certos sentimentos de nossos corações.
Inveja, egoísmo, orgulho, vaidade e principalmente desprezo são os caminhos mais curtos para uma vida de afastamento e negatividade. Evite cultivar tais sentimentos e principalmente evite os colocar em evidência em suas decisões diárias... 
Busque pensar com carinho, refletir com paciência, olhar com respeito...
Tente sorrir sempre que possível, tome decisões em momentos de paz e jamais deixe se levar pela aparência, dificilmente alguém é somente o que seu olhos são capazes de ver.
Tente sentir mais do que ver, fale menos e escute mais, use o tempo a seu favor e nunca avalie antes de chegar a uma conclusão da real necessidade dessa ou daquela escolha.
Lembre se, nosso mundo é dualista, vivemos entre uma realidade concreta e outra abstrata, entre o físico e o espiritual... não se apegue a nenhum dos dois e trilhe seu caminho buscando viver em harmonia e paz consigo mesmo.   





15 de dez de 2015

Sinceras desculpas...

Esta postagem não tem pretensão de ser um retorno, é um pedido de desculpas a todos que em algum momento leram algo que escrevi aqui.
Creio em tudo que escrevi, algumas opiniões são até mesmo exageradas e realmente sinto muito por ter deixado de lado este blog.
Recentemente um senhor chamado André Bernardo me contatou sobre uma inciativa que tive a muitos chamada "Pilar" e isso me fez revisitar este pequeno blog.
Não tinha, nunca tive, pretensões de que o que eu escrevesse aqui pudesse de alguma forma influenciar ou a ajudar alguém, de fato era mais um exercício para mim, tanto que mal revisava o que escrevia...
Devido a este contato revisitei o blog e notei duas respostas recentes que pediam para que eu voltasse a escrever, infelizmente não tenho muito tempo e me afastei dos estudos sobre a filosofia em geral.
Minhas desculpas hoje são para todos os que leram e gostaram, é para todos aqueles que esperaram algo mais que não pude suprir.
Eu quero ser muito sincero com todos vocês que em algum momento estiveram aqui e passaram os olhos pelas palavras aqui escritas, não tenho pretensões de voltar a escrever... mas vou tentar.
Eu não tenho muito tempo e todo meu tempo livre mas prometo que vou tentar escrever nem que sejam poucas palavras.

"Bendito é aquele que se arrepende,
este ganha a chance de corrigir seus passos."