9 de out de 2010

Universalismo.

"O bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo."
Edward Lorenz, alegoria sobre a teoria do Caos.

A frase acima pode soar estranha se analisada diretamente ao título.
Minha analise porém deriva da lógica por de trás da frase, de que um pequeno evento, aparentemente sem importância, pode ser o estopim de uma grande crise.

As bases teóricas do universalismo são muitas. Espíritas, hinduistas, unitaristas e cosncientologistas utilizam o termo para definirem aspectos de suas correntes de pensamento.

O universalismo dentro de um conceito Jediísta orienta o papel sociopolítico de um Jedi.
Pensar em universalismo dessa forma significa abrir mão de conceitos como o nacionalismo, que prendem as decisões locais a natureza e efeitos nacionais.
O universalismo sob a óptica do jediísmo diz que devemos pensar de forma global, aplicar nossas decisões a esfera planetária.
O pensamento universalista conduz o jediísta a levar em consideração suas ações, primeiramente em relação ao seu próximo e posteriormente em relação a sua comunidade tendo em mente que essa comunidade abarca todos os seres do planeta.
Uma simples decisão de mudar a rotina de consumo por exemplo acarretaria em salvaguardar recursos posteriomente utilizáveis, se muitos aderirem a mesma lógica o montante de recursos reservados para o futuro aumentará exponencialmente.

O pensamento universalista é uma das bases da filosofia Jediísta, ele é um bom parâmetro para calcar decisões, leve o sempre em consideração quando estiver prestes a decidir por algo.

Nós somos vozes da nossa época e nossos pensamentos serão nossos ecos no futuro, eles servirão como guia as futuras gerações de indivíduos do nosso mundo.

3 de abr de 2010

O Cavaleiro.

"Nós não somos um exército, somos guardiães..
Nós não somos santos, somos guerreiros...
Nós não marchamos, avançamos conscientes..
Nós não lutamos, nos sacrificamos...
Mesmo quando todas as chances forem reduzidas a nenhuma defenderemos, enquanto estivermos sobre nossos joelhos, com nossas cabeças erguidas, empunharemos nossos escudos juntos para a vida manter."

Quando abraçamos a filosofia Jediísta devemos manter em mente o que será cobrado de nós, o serviço a vida.
Não creio que hoje existam mestres em nosso momento histórico, porém cavaleiros existiram em quaisquer épocas. Sempre prontos para realizar a tarefa mais importante, o serviço ao bem e a defesa da vida, como guardiães devemos manter e cuidar de tudo e de todos ao nosso redor e além.

Quando comecei a escrever este blog eu pensava que seria simples, mas cada dia fica cada vez mais complexo.
Minha fé foi abalada inúmeras vezes nos últimos meses, seja por decepções pessoais, perdas e derrotas.
Eu abandonei o blog, fugi do que mesmo eu havia escrito e devo pedir lhes desculpas por isso.
Não é fácil conviver com as sombras de suas próprias falhas e nunca será.
Não é fácil encarar se e não encontrar respostas para seus próprios problemas...

Pensei um pouco antes de continuar a escrever aqui, mas é meu dever escrever aquilo no que creio ser o que eu sou.
Não vejo o jediísmo como uma religião, uma filosofia sim, um caminho.
O caminho do cavaleiro não é fácil, nunca o será, ele é mais de abdicações do que de conquistas, ele não cria heróis nem mártires, cria apenas devotos a causa, cria guardiães da vida.

Alguns me questionam, você se considera um Jedi? Por mais absurdo que pareça, sim, me considero.
Orgulhoso, imperfeito, inflexível muitas vezes, tal como os descritos na novela de ficção futurista de George Lucas.
E isso em geral causa risos, não me preocupo com isso, não me imagino de manto e sabre de luz, mas me imagino comprometido com a causa Jediísta.

Comprometa se com os que estão ao seu redor, proteja aqueles que você deve proteger, os que você ama e os desconhecidos.
Guarde a vida em todas as suas formas, ela é sagrada.
Esteja sempre vigilante para consigo mesmo, ninguém está livre de falhas motivadas pela vaidade.
Esteja preparado para enfrentar a si mesmo, este é seu maior inimigo.
E quando convocado, lembre se sempre que és o que desejas ser, e que sempre o serás.
Sede então um Cavaleiro.